sábado, 30 de março de 2013

Projeto Bichinhos de Jardim


Escola Municipal Itália Cautiero Franco - CAIC
Professora: Kátia Batista Martins
Nome do projeto: BICHINHOS DE JARDIM
Classe: MATERNAL III
Duração: 30 dias
Apresentação: EM NOVEMBRO, NO SALÃO DO LIVRO

JUSTIFICATIVA E OBJETIVO

O trabalho com projetos possibilita a interação da temática principal com as diversas áreas do conhecimento, fazendo com que a aprendizagem ocorra de forma contextualizada A criança, em suas relações com o ambiente que a cerca, concebe a natureza a seu modo. Porém, à medida em que ela cresce e se depara com fenômenos, fatos e objetos novos, ocorrem mudanças fundamentais na sua maneira de ver o mundo. Este processo de desconstruir antigos conceitos e construir novos, reorganizando as ideias, modificando o pensamento é, portanto, o conhecimento, é o ato de aprender.
Durante o terceiro bimestre, os alunos da turma do Maternal III da Educação Infantil terão a oportunidade de participar de atividades significativas fora da sala de aula. Essas atividades fazem parte do Projeto Bichinhos de Jardim, elaborado com o objetivo de proporcionar a observação, a análise e o estudo das características e peculiaridades dos bichinhos, estimulando a curiosidade e a pesquisa.
           Assim, a Educação Infantil da escola, dentro do eixo Meio Ambiente, Natureza e Sociedade, tem como objetivos
:
·     ajudar as crianças a transformar suas concepções e formular novas representações do mundo, propondo situações de aprendizagem que fomentem a curiosidade, a descoberta do novo, a busca e formulação de explicações para os fenômenos e acontecimentos do mundo natural e social.
·      Conhecer e identificar os bichinhos que moram nos jardins, nas hortas, etc, nomeando-os corretamente.
·        Conhecer suas características e como se adaptam ao meio em que vivem.
·     Respeitar os seres vivos que nos cercam tornando-se um lutador em defesa do meio ambiente.
·        Despertar nos alunos o interesse pelos livros e pela leitura de histórias.

Etapas do projeto:
1º momento: Crianças na roda: conversar sobre o tema proposto. Incentivá-las a falar sobre suas experiências: quem tem jardim em casa ou na casa da vovó? Quem conhece os bichinhos que moram nos canteiros, debaixo das pedrinhas, no meio da terra?
Observação: a professora deve incentivar as crianças a expressarem seus conhecimentos, cuidando para que o assunto gire em torno do tema estudado.
Livros de histórias que podem ser utilizados para motivar as crianças

  • Trabalho com obras da literatura infantil, como as histórias “Tatu-bola”, “A Plantinha e o Caracol”, “A Minhoca Coca”, “A Lagarta e a Borboleta”, “A Cigarra e a Formiga” e outras relativas ao tema, além de poesias como “Minhoca”, de Maria da Graça Almeida “A Joaninha”, de Elias José e “As Borboletas”, de Vinícius de Moraes; “Leilão de Jardim” de Cecília Meireles
2º momento: neste mesmo dia, deixar sobre as mesinhas, livros que tenham imagens de bichinhos: sapos, borboletas, formigas, borboletas, caracóis, minhocas, joaninhas, aranhas, tatuzinhos, besouros, etc. Deixar que as crianças folheiem os livros, observando suas falas e anotando suas hipóteses.
  • Para Casa: pedir aos pais que mandem gravuras, livros e/ou revistas que falem sobre o tema para ser mostrado na roda.
Passear pelo quintal ou jardim da escola para observar os bichinhos. Procurá-los debaixo das pedras, nas árvores, dentro da terra e embaixo das folhas. Se for possível, realizar esta atividade com lupa. À medida que as crianças forem identificando os bichinhos, confirmar as hipóteses que foram levantadas por elas, desde o início do estudo.

3º momento:  Pesquisas da professora
1-    Conforme sua modalidade –
Caminham devagar ou rápido:
Com poucas patas, com muitas patas, com patas curtas, com partas longas.
Que voam:
Asas pequenas, asas grandes, asas transparentes
Que se arrastam:
Deixam marca de baba, não deixam marca de barba.
Que saltam:    
Patas grandes, patas pequenas.       
2-    Conforme seu tamanho
            Muito pequenos para observar com lupas:
            Pequenos, médios, grandes.
3-    Conforme seus hábitos de atividade
Diurnos e noturnos.                     
4-    Conforme o lugar onde podem ser encontrados
          Dentro das casas, no jardim das casas, em praças, na calçada, no campo, nas paredes.
5-    Conforme o que comem
            Folhas, troncos e outros bichos.
6-    Conforme os encontramos
 Isolados (se vê um tipo de inseto, esporadicamente e solitário)
             Em grupo: formigas, por exemplo.
7-    Conforme o som que emitem
Não emitem sons, emitem um som baixo (pelo bater das asas, por exemplo), emitem som alto (grilos, cigarras).
8-    Conforme grau de periculosidade aparente
Inofensivos (caracol), suspeitos (barata, grilo), perigosos (aranha, escorpião).
9-    Conforme suas cores
Pretos, com partes transparentes, com uma cor chamativa, de várias cores.
10-  Conforme onde fazem o ninho ou sua casa
Sobre a terra, embaixo da terra, em árvores, em tetos.
   11- Se são apropriados ou não para se comer
Levar para a sala, documentários e imagens, para que as crianças conheçam costumes dos povos asiáticos onde se comem insetos.

4º momento: Após conhecer suas características e saber identificá-los, garantir que os alunos saibam a qual categoria pertencem (se são insetos ou não).  
5º momento: Jogos na rodinha:
            Estou pensando num inseto. Ele é pequeno, pode ser de cor vermelha ou preta, sua moradia se chama formigueiro. Quem é ele?
            Quem conhece e se lembra de insetos que têm asas?  
            Quem conhece a joaninha? Qual é a cor de suas pintinhas? 
            Quantas patas têm a barata? Ela é lisa ou áspera? Ela é seca ou molhada?
            Realizar a mesma atividade com outros insetos já conhecidos pelas crianças.    
6º momento: Verificar a possibilidade de inserir a família neste estudo para que possam mandar para a sala de seu filho, insetos vivos para observá-los, descrevê-los e classificá-los segundo os critérios já descritos aqui.
            No final da atividade, serão devolvidos à natureza. Para cada tipo de inseto diferente que aparecer, procurar saber: O que ele come? Quando dorme? Onde vive? Onde tem sua toca?
            Que outros bichos apareceram em suas casas que não puderam ser trazidos para a escola? Por quê?
             Usar a lupa: escolher alguns insetos não perigosos e observá-los. Se for possível, desenhá-los no quadro ou então, montar cartazes com imagens grandes.  
             Identificar imagens dos insetos desconhecidos em livros de história, em livros didáticos, em filmes, documentários. Levantar questões sobre eles, comparando-os com os outros já conhecidos.
7º momento: Sabemos que as crianças chegam à escola com uma bagagem de  conhecimentos  sobre vários assuntos. Como são encantados com os bichinhos, bichos e bichões, possívelmente já terão experiências. Por isso, utilize-os sempre, ressaltando e registrando as hipóteses levantadas pelo grupo durante as rodas de conversas, pesquisas em livros, etc.
              Quadro feito no kraft (colado na lousa) será feito pela professora para serem registradas as hipóteses e os conhecimentos prévios das crianças.
               Exemplo:
Bicho:                O que sabemos:                    O que queremos saber:

Abelha:                Ela voa, ela tem asas                Ela bota ovo?

Minhoca:              Ela é vermelha e molinha          Qual é a sua comidinha?

Atenção: os conceitos anfíbio, vertebrados e invertebrados, répteis, habitat e outros devem ser ditos às crianças.
8º momento: Os textos produzidos coletivamente sobre cada bichinho estudado devem ser registrados pela professora para a montagem do produto final.
               Para decidir o que fazer, sugerimos conversar com as crianças sobre os tipos de revistas que recebem, as bulas que acompanham os remédios, os santinhos que são oferecidos nas campanhas políticas, as cartas que são deixadas em sua casa, etc.
              Solicitar às crianças que tragam de casa: cartas que seus pais recebem, revistas Veja, Caras, bulas de remédio, livros de histórias, enciclopédias, etc. Estes devem ser levados para a roda explicando a função de cada portador de texto.

Dentre as atividades do projeto, pode-se citar:
  • A listagem dos bichinhos que habitam o jardim;
  • A observação e estudo de bichinhos coletados: tatu-bola, minhoca, caracol, joaninha, borboleta, abelha, formiga, centopeia, gafanhoto, entre outros, contando com o envolvimento das famílias na coleta de diversas amostras de bichinhos;
  • Construção de texto cooperativo, a partir da obra “Cobra-cega”, de Avelino Guedes, ao qual as crianças poderão dar o título;
  • Momento Filosófico, trabalhando a questão das diferenças, sentimento de rejeição e acolhimento a partir da obra “A Joaninha Diferente”, de Eunice Braido;
  • Jogos matemáticos: “Dez bolinhas para a joaninha”, trabalhando a contagem, seqüência dos numerais, relação número/quantidade;
  • Construção de um mini-jardim, utilizando terra, pedras, mudas de plantas, água e alguns bichinhos, como tatu-bola, centopéia, minhocas, etc;
  • Preparo e degustação do Bolo Formigueiro, entre outras atividades que proporcionaram a aprendizagem significativa.
  • Estudo da metamorfose da borboleta
  • Música “borboletinha”
  • Vídeo: metamorfose da borboleta

Tem uma frase do Mario Quintana que ele diz assim: “O segredo é não correr atrás das borboletas… É cuidar do jardim para que elas venham até você.” Bom, se este será o segredo, o primeiro passo será deixar a nossa sala com carinha de lar de borboleta, montar um cantinho verde, onde aprenderemos sobre as flores e tudo o que elas precisam para sobreviver. Quando as lagartas vierem morar em nossos observatórios, já terão um cantinho só delas.


Culminância: Portifólio




































5 comentários:

  1. parabéns amei suas ideias

    ResponderExcluir
  2. parabéns , amei o projeto,estou planejando realizar esse projeto com minha turma, gostaria de visualizar imagens da culminancia do projeto.

    ResponderExcluir
  3. adorei seu projeto e as atividades muito legal.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário!

"A educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tam pouco a sociedade muda."

Paulo Freire